domingo, 22 de maio de 2016

A memória registrada nas praças e jardins

Os monumentos e esculturas marcam e registram fatos históricos relevantes. Em uma comunidade agradecida a cidadãos que trabalharam pelo engrandecimento de sua cidade identificado entre ciclos evolutivos merecem o destaque para servir de exemplo para futuras gerações.
A qualidade de vida perpassa por bons exemplos e reflete na longevidade alcançada nos novos tempos.
Suponho que Feira de Santana teve inicio na “cidade dormitório” ou “entreposto comercial”, fenômeno ocorrido em decorrência da comercialização das boiadas vinda do Nordeste para o Sul e vice-versa.
Primeiro os vaqueiros nordestinos encourados a caráter tocando as boiadas nas trilhas em lugar das estradas. Depois o tropeiro abastecendo a comunidade de víveres de primeiras necessidades.
Em monumentos considerados do “Ciclo do Couro”, o feirense homenageou os dois heróis com fantásticas esculturas: “O vaqueiro”, localizado no Campo do Gado e o “Tropeiro”, implantado no Centro de Abastecimento.
A heroína feirense Maria Quitéria foi contemplada com uma escultura criada por dois artistas, Luiz Humberto de Carvalho e Juraci Dórea, plantada no cruzamento das avenidas Getúlio Vargas e Maria Quitéria - foi temporariamente retirada para a construção de túnel do BRT.
Em 2007, o então prefeito José Ronaldo de Carvalho resolveu homenagear o “Motorista Caminhoneiro” personagem marcante e responsável pela segunda fase da evolução da “Cidade Comercial”.
Dos caminhões apelidados de pau-de-arara até as grandes carretas modernas, dependeu desse incansável profissional para transportar todo tipo de mercadoria necessária para abastecer o crescente comércio elevando Feira de Santana à condição de trigésima terceira maior cidade do país. Momento que fui convidado para realizar a parte artística da homenagem que seria plantada no espaço da praça Jackson do Amaury.
O projeto teve a intermediação por parte da Prefeitura Municipal, do arquiteto Arsênio Oliveira e do secretário de Planejamento Carlos Brito, dando apoio institucional à criação artística. 
A ideia de escultura evoluiu para monumento devido às dimensões sugeridas, transpassando sobre as duas pistas que rompem a praça permitindo o tráfego por baixo do monumento. Suas dimensões externas ficaram entre nove metros de altura e quarenta de comprimento nas extremidades longitudinais.
O esboço foi refeito várias vezes até que a forma ideal pudesse representar o personagem homenageado. A ideia básica ascende da abstração formal em decorrência da busca das simbologias representativas de um caminhão e não da realidade acadêmica “fotográfica do caminhão”.
Por fim surge a imagem de uma cabine ou “cavalo de força” como módulo de tração de uma carreta executada em concreto armado ligeiramente inclinado para frente como de costume nos exemplares e uma representação da roda ligeiramente oval para induzir o observador ao movimento.
Em seguida foram criadas em aço carbono três vigas em semiarco atravessando as pistas que dariam suporte a outros símbolos do caminhão nordestino, uma faixa vermelha vazada com desenhos múltiplos típicos das carrocerias de madeira dos nossos “paus-de- araras”. Finalmente foram encrostados arcos na cor cinza nos formatos utilizados por várias das grandes carretas para permitir melhor aerodinâmica contra o deslocamento do vento devido à forma retangular das cabines.
No ano seguinte, 2008, o prefeito José Ronaldo volta a homenagear outra grande personalidade feirense, Georgina Erismann, autora do Hino a Feira e fui convidado a realizar uma escultura chamada “Liberdade de uma Poetisa”, pelas formas de asa alçando voo, registrando a criação mais enaltecida de Georgina quando elaborou o hino a cidade. Está localizada na avenida João Durval Carneiro, em frente ao Boulevard Shopping. E assim os bons exemplos de cidadania vão sendo registrados em Feira de Santana.

Publicado no Jornal Folha do Estado em 21/05/2016
Gil Mário de Oliveira Menezes
Artista Visual e Crítico de Arte


sábado, 12 de dezembro de 2015

Troféu Quem é Quem Feira de Santana 2015

Na foto Gil Mário ao lado de Antonio José e Kika Larangeira, durante a premiação "Quem é Quem Feira de Santana" promovido pelo jornalista Antonio José Larangeira, através do Jornal Tribuna da Bahia 
Gil Mário, "O Elefante", ast, 40 x 34 cm, 2015

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Gil Mário, "Pernalonga", ast, 40 x 34 cm, 2015

domingo, 20 de setembro de 2015

Gil Mário, ast, 30 x 24 cm, 2015
Não poderia deixar de agradecer a Fundação Egberto Costa e a Prefeitura Municipal de Feira de Santana, pela inclusão do meu nome entre os dez homenegeados com o Título de Patrono na ocasiao dos dez anos de criação desta Instituição

domingo, 4 de janeiro de 2015

Busto para João Ubaldo dia 10 em Itaparica


Caricatura de João Ubaldo Ribeiro por Hugo
Grande atividade cultural na ilha com extensa programação: descerramento pelos familiares do busto do escritor João Ubaldo Ribeiro, lançamento da coletânea “Viva o Povo Brasileiro e João Ubaldo Ribeiro - Antologia” com organização de Dalva Tavares Lima e publicação da editora Edufba.
Também faz parte da programação um Monólogo Sargento Getúlio por Carlos Betão e o lançamento do cordel “O Homem que viu o Sorriso do Lagarto e disse Viva o Povo Brasileiro”, além de um Musical.

Destaque para exposição de artes visuais com participação de vários artistas feirenses. Estaremos lá.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

coluna de Oydema Ferreira - Jornal Folha do Estado

QUARTA-FEIRA, 15 DE OUTUBRO DE 2014
Oydema Ferreira
40 anos de jornalismo, ética e integridade


Gil Mário...
Gerado aqui, nascido em Salvador e residente em Feira de Santana,é um talento das artes feirenses, um artista plástico inovador com estilo próprio, que se fez referência entre os melhores da nova geração da Bahia e, um nome que tende a ser nacional quiçá internacional.
Ama Feira de Santana e nela vive onde encontra inspiração para suas lindas telas. Dono de um curriculum invejável continua simples,humano e grande homem.
Neto do saudoso Áureo de Oliveira Filho, ex-deputado estadual e fundador do extinto Colégio Santanópolis. Gil Mário é descendente de uma família rica de valores na história de Feira de Santana.
Falar sobre Gil Mário é confundir sua vida pessoal com seus pincéis, telas e criações e também, com obras de arte que compõem a paisagem feirense.
Gil Mário é um talento, uma pessoa especial e com Honra ao Mérito integra a galeria de “GENTE QUE BRILHA”, com muito brilho.

coluna de Oydema Ferreira, no Jornal Folha do Estado, 15 de outubro de 2014


sábado, 4 de outubro de 2014

Geração 2014


Homenagem a João Ubaldo Ribeiro

A heroína Maria da Fé, de “Viva o povo brasileiro”, por Gil Mário

“A arte é uma forma de conhecimento.”
“Quem peca é aquele que não faz o que foi criado para fazer.”
“– Povo do Arraial de Baiacu e de toda a terra de Vera Cruz! – disse o capitão, a voz agora clara e cristalina, um martelo de araponga retinindo por cima do rechinar da chuva e dos gritos de espanto abafados. – Estamos aqui para prestar a última homenagem a um que haverá de servir de exemplo a todos os que não curvam a cabeça à tirania, todos os que sonham com a liberdade, todos os que aprendem, na luta de cada dia, a respeitar seu próprio valor, todos os que dizem: abaixo o senhor e viva o povo! Viva o povo e a viva a liberdade!”
“[...] Maria da Fé, ali brotada por artes incompreensíveis, descasulada das vestes de um capitão mal-encarado como uma borboleta triunfante [...]”
João Ubaldo Ribeiro, em Viva o povo brasileiro.

Gil Mário mantém seu atelier na cidade de Feira de Santana, onde exerceu a função de Professor Titular da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e dirigiu o Museu Regional de Arte de Feira de Santana. Além da Especialização em Artes Visuais: Cultura e Criação constam do seu currículo 106 exposições coletivas e 26 individuais nos principais centros culturais do país. São 40 anos de atividade artística comemorados em 2014, com exposição individual na Galeria de Arte Jenner Augusto, em Aracaju, Sergipe.


domingo, 27 de abril de 2014

Gil Mário expõe “Florestabilidade” em Aracaju








A Galeria de Arte Jenner Augusto, da Sociedade Semear, em Aracaju, abre sua temporada de exposições do ano de 2014, apresentado um conjunto de obras do artista visual baiano Gil Mário. O vernissage ocorre no dia 6 de maio.

A exposição é composta de onze trabalhos em acrílica sobre tela nas dimensões 100 x 100 cm e dez infogravuras sobre placa de PVC. A curadoria da mostra é de Ligia Motta, com coordenação geral de Cita Domingos.

O conjunto da obra é denominado de “Florestabilidade”. O tema predominante é inspirado na flora e na fauna brasileira e foi desenvolvido com a técnica da abstração formal, demonstrando que “podemos utilizar as florestas e matas, sem, contudo, agredirmos a natureza”, como considera o artista. Este conceito conservacionista permite ao artista conciliar o belo, os cuidados com a ecologia e economia, ao estimular a exploração sustentável.

Gil Mário comemora 40 anos de exposições registrando em seu currículo 24 individuais, 106 coletivas nas principais galerias do país. Sua formação acadêmica vem da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (Ufba). Ele é pós-graduado em Artes Visuais - Cultura e Criação. Desta forma, vem desenvolvendo sua produção artística de maneira contemporânea e estilo próprio, que  caracterizam sua trajetória ao longo de quatro décadas.

São os trabalhos deste artista que a Galeria de Arte Jenner Augusto disponibiliza para visitação dos admiradores das artes visuais no período de 6 de maio a 7 de junho de 2014.

A Galeria é localizada na rua Leonardo Leite, 148, São José, Aracaju-SE. Informações pelo telefone (79)32145800 ou e-mail sociedadesemear@infonet.com.br.

O artista Gil Mario de Oliveira Menezes mantém para pesquisa e maiores informações blog no endereço gilmarioom.blogspot.com .


sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Uma das minhas últimas esculturas vocação primária. Volto com grande emoção a esta criação.




Livro "Cinema Demais" de Dimas Oliveira


Projeto da capa do livro “Cinema Demais” do jornalista Dimas Oliveira que será lançado no mercado no inicio de 2014.
Sinto-me honrado pelo convite de Dimas para ilustrar importante histórico do cinema em Feira de Santana com registros desde o Cine Iris até áureos tempos do Cine Santanópolis.
Ricas lembranças das matinées nas tardes de segundas-feiras.
O livro reúne pouco mais de 50 colunas contidas em um álbum de recortes envelhecidos e atualizados para transformar neste excepcional livro de Dimas. Aguardamos ansiosos a publicação e o lançamento dos primeiros exemplares.

domingo, 17 de novembro de 2013


A fisioterapeuta do ano pela seleção do Troféu Imprensa Noite Dia 2013 é a competente Catarina Simões Menezes que recebe o troféu no dia 23 de novembro, às 20 horas, na Estação da Musica.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Foto: designes Jane Urbanetto, Fernanda Perez , Patrícia Souza com Gil Mário


Casa Cor valorizando os profissionais da área

Casa Cor Feira de Santana é uma exclamação só: não sabia que tínhamos este nível de qualidade. Estou boquiaberto, ambientes e soluções de primeiro mundo. É a valorização de nossos profissionais. Não só os profissionais: o mercado de decoração, a construção civil, recursos elétricos, improvisação, profissional, etc. Não existe espaço para amadores, os atuais recursos são tantos que requer prática científica para o aproveitamento dos recursos oferecidos pelo atual comércio.
Feira se Santana surpreende pelo estágio que vem alcançando no mercado da construção civil. Agora começa com afinco, com dedicação, contemplar também, o que se considera classe “A”, apesar do momento do Brasil classe “C”.
Progredir em todas as direções faz a diferença desta cidade é a Casa Cor Bahia extensão Feira de Santana, vindo para provar que temos profissionais competentes nesta área. Entre os 22 ambientes não tem como destacar os melhores. Citaria alguns que conheço pela convivência das artes visuais, a exemplo da arquiteta Ana Cristina Monteiro com o estar íntimo, nas cores sóbrias e o preto e branco. Arquiteto Luiz Humberto destaca a história do famoso arquiteto Amélio Amorim além da dinâmica da locação dos ambientes ocupando 1600 m². A equipe da arquiteta Inês Oliveira esnobou recursos computadorizados na sua iluminação e jardins naturais em paredes internas. A Casanova marcou presença com estilo. Destaco e parabenizo as designes Jane Urbanetto, Fernanda Perez e Patrícia Souza pelo grande espaço valorizando as artes visuais e pela sobriedade sem perder a inventiva característica da designe no belo ambiente apresentado.

Gostaria de registrar meu apoio a essa iniciativa valorizando a cidade e indicando novas tendências existentes nesse segmento da comunidade. São trinta dias de completa euforia entre convidados, clientes, artistas visuais, designes, arquitetos, casas de decoração e construção civil, confundindo-se em qualidade com o mercado da capital, Salvador. Resta-nos, parabenizar ao Boulevard Shopping pela iniciativa sempre a frente do nosso tempo.